OMT divulga cartilha com ações para recuperar o setor; entenda

Clippings /por

A Organização Mundial do Turismo (OMT) lançou, nesta quarta-feira (1), um documento com recomendações para governantes e empresas do Turismo. A cartilha, chamada de “Recommendations for Action”, é mais uma forma da entidade de pedir ajuda em meio aos desafios do setor com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Com o objetivo de voltar a crescer, a criação das recomendações foi o primeiro feito do Comitê Global de Crise do Turismo, que tem representantes de todo o Turismo. Dessa forma, a lista foi elaborada para apoiar governos, setor privado e comunidade internacional durante e no pós-crise.

“O documento fornece uma lista de possíveis medidas para ajudar nosso setor a manter empregos e apoiar empresas em risco. Atenuar o impacto no emprego e na liquidez, proteger os mais vulneráveis ​​e se preparar para a recuperação são nossas prioridades”, explica Zurab Pololikashvili, secretário-geral da OMT.

De acordo com o executivo, ainda não se sabe o impacto total da pandemia no Turismo global, mas é necessário agir.”Nós precisamos apoiar o setor agora, enquanto nos preparamos para que ele volte mais forte e sustentável. Planos e programas de recuperação para o turismo se traduzirão em empregos e crescimento econômico”, complementa.

OMT: divisão
O dossiê traz três fases de atuação: gerenciamento de crise e mitgação do impacto (1) ; estimulando e acelerando a recuperação (2); e o preparo para o amanhã (3). Em cada um dos capítulos, o comitê reuniu recomendações específicas para cada etapa.

No primeiro, as dicas vão para a retenção dos cargos, garantia de liquidez, taxas e apoio aos trabalhadores, principalmente autônomos. Já no segundo tópico, o estímulo vai para o lado financeiro do setor, propondo medidas de auxílio fiscal, menos restrições de viagens e facilitação no ganho de vistos. Por fim, a terceira e última fase incita o destaque ao Turismo como lider no crescimento econômico e exige maior reconhecimento por parte de governos e iniciativa privada.

Fonte: Brasilturis