Município estende Rio+Seguro à Zona Oeste com câmeras de reconhecimento facial

Município estende Rio+Seguro à Zona Oeste com câmeras de reconhecimento facial

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, lançou no dia 22, na Freguesia, o Rio+Seguro Jacarepaguá, que nesta fase traz como destaque o uso de uma nova tecnologia de patrulhamento: câmeras individuais instaladas no uniforme de agentes para monitoramento das ações policiais, e reconhecimento facial e de placas de automóveis. A partir de um convênio que será assinado em breve, essas imagens, captadas em tempo real, serão cedidas ao Ministério da Justiça, auxiliando a identificação não somente de veículos roubados, mas também de bandidos foragidos, com mandado de prisão.

De acordo com o secretário de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, o convênio com o Ministério da Justiça deve ser assinado já no início de fevereiro. “O governo federal vem buscando essa interligação, esse compartilhamento de imagens, de maneira que os bancos de dados possam fazer com que os bandidos não tenham mais para onde correr. Esse é o grande papel desse convênio”, assegurou Gutemberg, lembrando que as imagens captadas pelas microcâmeras representam mais segurança não só para a população, mas também para os próprios policiais: “Esses procedimentos poderão livrar também agentes de várias acusações que, muitas vezes, não procedem”.

As câmeras serão equipadas com sistemas de georrefenciamento e de comunicação. Após concluir a expansão, a Seop prevê empregar o mesmo modelo nas sete regiões da Zona Oeste. Ao todo, um efetivo de 840 agentes em turnos, com uma média de 280 por dia. A estimativa de investimento total é de R$ 3,8 milhões, custeados pelo Fundo Especial de Ordem Pública (Feop).

“Estamos aqui hoje celebrando uma expansão do que já deu certo em Copacabana”, disse Marcelo Crivella, ao anunciar a expansão do Rio+Seguro para a Zona Oeste, diante de uma plateia de cerca de 300 convidados, no Shopping Rio Office & Mall. “A prefeitura está presente com os guardas, os PMs, de motocicleta, tapando buraco, consertando calçada, podando árvore, trocando lâmpada e acolhendo a população de rua para os abrigos”, concluiu o prefeito.

Para o comandante do 18º BPM (Jacarepaguá), tenente-coronel Roberto Dantas, a parceria oferecida pelo município é de “extrema importância” para uma região com mais de um milhão de habitantes. “Vamos aumentar consideravelmente o número de agentes públicos nas ruas, para bater metas na redução de todos os tipos de crimes”, justificou Dantas.

O programa ainda conta com a parceria da Associação Comercial e Industrial de Jacarepaguá e do Rio Office Mall, que auxiliarão na estrutura e manutenção de apoio.

O núcleo da Freguesia terá 60 agentes por dia (entre guardas e policiais militares), base operacional (sala cedida pelo shopping), quatro viaturas e duas motocicletas.

A tecnologia, adotada experimentalmente, é usada por forças de segurança em diversas partes do mundo. O objetivo da Seop é adotar, gradativamente, as câmeras em todos os núcleos do Rio+Seguro. As microcâmeras servirão para dar mais transparência às ações e segurança aos próprios policiais, que terão acesso ao conteúdo das gravações, mas sem a possibilidade de editar ou apagar as imagens.

Ao contrário do modelo atual, com a adesão de PMs na ativa contratados no período de folga, o Rio+Seguro Jacarepaguá deve contar ainda com bombeiros e policiais militares e civis aposentados e da reserva.

O Rio+Seguro foi lançado pelo prefeito Marcelo Crivella em 3 de dezembro de 2017, nos bairros de Copacabana e Leme. No total, conta com 420 agentes (entre guardas municipais e policiais militares). Até o fim de abril, outras seis regiões – Anil, Taquara, Pechincha, Tanque e Praça Seca, além do Centro de Campo Grande – serão beneficiadas.

Em dois anos, o Rio+Seguro registrou 987 prisões e 526 apreensões de crianças e adolescentes em flagrante em Copacabana e no Leme. Além disso, foram 9.482 ocorrências da Guarda Municipal e ações conjuntas com foco no ordenamento. Também foram apreendidos 11.998 produtos piratas, 383 facas e 38 aparelhos de clonagem de cartão; doadas a instituições de caridade mais de nove toneladas de frutas apreendidas do comércio irregular; e realizados 11.812 atendimentos à população em situação de rua, com 1.060 acolhimentos.

Créditos: Marco Antonio Rezende / Prefeitura do Rio