Setur-RJ lança edital para a criação de seis representações turísticas no exterior

Setur-RJ lança edital para a criação de seis representações turísticas no exterior

Verão no Rio de Janeiro é sinônimo de turistas. E não são só os hotéis que ficam lotados, já que a demanda por aluguéis de temporada via plataformas digitais aumenta exponencialmente.

 

A prática liga o alerta de associações de moradores, administradoras de condomínios e população em geral. A polêmica motiva um pleito jurídico de longa data da hotelaria formal, que pede não somente equiparação fiscal, mas também toda regulamentação exigida pelos órgãos competentes aos hotéis, a começar pelo cadastro formal dos hóspedes.

 

“Moradores da cidade do Rio de Janeiro têm passado por sérios riscos de segurança em razão da crescente modalidade de aluguéis por aplicativos, mascarando os contratos por temporada através das negociações de diárias em apartamentos residenciais. Os aluguéis são negociados via aplicativos, sem qualquer confronto de informações, propiciando às quadrilhas especializadas em arrombamentos de apartamentos a praticarem roubos que trazem sérios prejuízos aos moradores permanentes”, alerta Delair Dumbrosck, presidente da Câmara Comunitária da Barra.

 

A implementação desta modalidade, principalmente na Barra da Tijuca, traz ainda uma competição desleal com a rede hoteleira, que emprega direta e indiretamente milhares de pessoas, e cumpre uma série de obrigações trabalhistas e fiscais, movimentando a economia da cidade.

 

“A hotelaria formal segue uma série de normas regulatórias que garantem maior segurança, evitando situações como prostituição, tráfico e até abuso sexual contra menores, que são facilitados nas acomodações alternativas. Nada mais que justo que as exigências legais para reservas por aplicativos sigam os mesmos parâmetros exigidos aos hotéis, que por regra compartilham a ficha nacional de cadastro de hóspedes com o Ministério do Turismo”, defende Alfredo Lopes, presidente da Hotéis Rio.

 

Mais que combater problemas relacionados à segurança pública, o pleito da hotelaria busca apoiar a formulação de políticas públicas de fomento ao turismo, visto que concede à Secretaria de Estado de Turismo o direito de coletar dados de procedência e tempo de permanência para fins de estatística.

 

 

Hospedagem por aplicativo oferece risco à população

Verão no Rio de Janeiro é sinônimo de turistas. E não são só os hotéis que ficam lotados, já que a demanda por aluguéis de temporada via plataformas digitais aumenta exponencialmente.

 

A prática liga o alerta de associações de moradores, administradoras de condomínios e população em geral. A polêmica motiva um pleito jurídico de longa data da hotelaria formal, que pede não somente equiparação fiscal, mas também toda regulamentação exigida pelos órgãos competentes aos hotéis, a começar pelo cadastro formal dos hóspedes.

 

“Moradores da cidade do Rio de Janeiro têm passado por sérios riscos de segurança em razão da crescente modalidade de aluguéis por aplicativos, mascarando os contratos por temporada através das negociações de diárias em apartamentos residenciais. Os aluguéis são negociados via aplicativos, sem qualquer confronto de informações, propiciando às quadrilhas especializadas em arrombamentos de apartamentos a praticarem roubos que trazem sérios prejuízos aos moradores permanentes”, alerta Delair Dumbrosck, presidente da Câmara Comunitária da Barra.

 

A implementação desta modalidade, principalmente na Barra da Tijuca, traz ainda uma competição desleal com a rede hoteleira, que emprega direta e indiretamente milhares de pessoas, e cumpre uma série de obrigações trabalhistas e fiscais, movimentando a economia da cidade.

 

“A hotelaria formal segue uma série de normas regulatórias que garantem maior segurança, evitando situações como prostituição, tráfico e até abuso sexual contra menores, que são facilitados nas acomodações alternativas. Nada mais que justo que as exigências legais para reservas por aplicativos sigam os mesmos parâmetros exigidos aos hotéis, que por regra compartilham a ficha nacional de cadastro de hóspedes com o Ministério do Turismo”, defende Alfredo Lopes, presidente da Hotéis Rio.

 

Mais que combater problemas relacionados à segurança pública, o pleito da hotelaria busca apoiar a formulação de políticas públicas de fomento ao turismo, visto que concede à Secretaria de Estado de Turismo o direito de coletar dados de procedência e tempo de permanência para fins de estatística.

 

 

RHs e DPs dos hotéis voltam a se reunir em 2020

RHs-e-DPs-dos-hotéis-voltam-a-se-reunir-em-2020

No dia 16, gerentes e diretores de RH e DP dos hotéis da Barra, Recreio e Vargens se reuniram no Hotel Windsor Marapendi, na Barra da Tijuca. A pauta do encontro girou em torno de temas pertinentes às áreas e contou com a presença da Secretária Municipal de Saúde, Beatriz Busch.

 

Na ocasião, Beatriz Busch fez uma breve apresentação sobre o sarampo, doença infecciosa grave, causada por um vírus e que pode ser fatal. O sarampo estava erradicado no Brasil, mas voltou a apresentar surto no país. A secretária alertou a todos sobre a gravidade da doença, prevenção, sintomas, tratamento, e o melhor, disponibilizou aos hotéis associados a oportunidade de vacinação aos seus colaboradores, com a criação de uma agenda a ser cumprida antes do início do carnaval desse ano. Beatriz estava acompanhada da superintendente de Vigilância em Saúde, a infectologista Patrícia Guttmann; do diretor da Coordenadoria de Saúde da Área de Planejamento – CAP 4.0, Flávio Lúcio Costa; e da chefe do Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) da Região Administrativa da Barra e expert em imunização, enfermeira Ingrid Buthler.

 

Outro tema da reunião foi a situação dos refugiados no Brasil. Patricia Marinho, gerente do Centro de Refugiados da Associação São Vicente de Paulo, trouxe informações da instituição e de como os hotéis podem ter acesso a essa mão de obra carente de oportunidades.

 

E, no dia 24, foi a vez dos RHs e DPs da Zona Sul e Centro se reunirem no JW Marriott Hotel, em Copacabana. Novamente na pauta, o assunto sarampo, agora com a equipe da Secretaria Municipal de Saúde da Zona Sul e Centro – Amanda Menelau, responsável, pelo CAP 2.1 – Zona Sul; Michele Faria, Adriana Desterro e Jaciano Santiago, da Coordenadoria do CAP 1.0 – Centro do Rio; sob o comando da Dra. Patrícia Guttmann.

 

Outro tema abordado durante a reunião foi o Instituto Le Cordon Bleu. A diretora acadêmica do Instituto, Ana Paula Delgado, e a gerente de Vendas e Marketing, Paula Rocha, apresentaram aos participantes os cursos oferecidos pela instituição e ressaltaram a importância do Hotéis Rio em aproveitar a mão de obra de seus formandos para as oportunidades de estágios e empregos dos hotéis associados. Diante disso, Hotéis Rio e Le Cordon Bleu vão estabelecer uma agenda de visitas à sede do instituto, que fica no bairro de Botafogo, na Rua da Passagem, 179.

 

Ambas as reuniões contaram com a presença do advogado do SindHotéis Rio, Marcelo Salles, que atualizou aos presentes sobre as principais ações em andamento e esclareceu dúvidas.

 

Após os respectivos fóruns, Hotéis Rio encaminhou correspondências aos hotéis associados e não associados com o formulário de inscrição de vacinação para funcionários, específico de cada CAP.

 

Crédito: Hotéis RIO

Rio comemora extensa programação e cidade cheia de turistas para o Carnaval

 Carnaval-Rio-2020-comemora-extensa-programação-e-cidade-cheia-de-turistas

O Hotéis Rio comemora o aumento de procura para o Carnaval 2020 na cidade do Rio de Janeiro. Desde a primeira prévia, os números de procura deste ano vêm superando os do ano passado.

Na entressafra entre o Réveillon e o início do Carnaval, a cidade registra índices de ocupação na casa dos 80%. Para o Carnaval, até o momento, 82,5% dos quartos estão reservados e a expectativa do presidente Alfredo Lopes é de 98% de ocupação em algumas áreas da cidade.

Na Barra da Tijuca, que já entrou de vez pro roteiro do Carnaval carioca, uma mistura de samba e feijoada marcou, no Novotel Barra, a eleição da musa dos blocos. Os jurados especialistas Selminha Sorriso e Haroldo Costa, e o Subsecretário de Grandes Eventos, Ruan Lira, deram à Danyelle Santos o primeiríssimo lugar, representando o Bloco das Divas.

O segundo lugar ficou para Cindyane Santos, do bloco É Pequeno, Mas Não Amolece. Taíssa Marins levou o terceiro lugar para o Bloco Concentra Imperial. O evento contou ainda com a participação especial da musa mirim Lorena Valentina Rodrigues, representando a Banda Amigos da Barra, além de desfile do Blocão, com a musa canina Nininha.

E não para por aí. Em Santa Theresa, o concurso de Melhor Caipirinha da Hotelaria deu o título ao Fairmont Copacabana. A caipirinha Tarsila, criação do bartender do hotel, Cassiano Melo, foi eleita como a melhor Caipirinha dos Hotéis. O drinque foi inspirado na pintora brasileira que teria levado a receita da caipirinha para os intelectuais europeus nos anos 20. Em segundo lugar ficou Jailton Carvalho, do Arena Copacabana e, em terceiro, Brendon Carvalho, do Windsor Barra. O evento aconteceu no charmoso Bar dos Descasados, do Hotel Santa Teresa e teve a Cachaça Leblon como parceira

 

Hotéis Rio e Amasco realizam mobilização pela reabertura da Avenida Niemeyer

 Hotéis-Rio-e-Amasco-realizam-mobilização-pela-reabertura-da-Avenida-Niemeyer.

 

Hotéis Rio e Amasco (Associação de Moradores de São Conrado) promoveram, no dia 15, na área externa do Hotel Nacional, uma mobilização para marcar publicamente o pedido de reabertura da Avenida Niemeyer. Na ocasião, representantes do trade turístico, associações de moradores locais e hoteleiros se reuniram para chamar atenção para a importância da reabertura da importante via, interditada pelo Ministério Público desde 28 de maio de 2019.

 

Segundo Hotéis Rio, a movimentação dos empreendimentos localizados na região caiu cerca de 80% desde a interdição da Avenida Niemeyer. Na via, de acordo com o COR (Centro de Operações da Prefeitura do Rio), transitavam 36 mil veículos por dia, em média.

 

O presidente Alfredo Lopes destacou que a indefinição sobre a reabertura é o que mais angustia a hotelaria. “A interdição está prejudicando enormemente a hotelaria local, primeiro pelo prazo, já é quase uma gestação, completando nove meses que a via segue fechada. Segundo, pela indefinição de quando efetivamente ela será liberada”, comentou.

 

Ainda de acordo com Alfredo, há uma queda de braço entre o Judiciário e a prefeitura do Rio de Janeiro. O dirigente explica que a Geo-Rio, órgão técnico da prefeitura, acredita que os R$ 35 milhões já investidos em sua recuperação dão garantias de que a via já poderia estar liberada para tráfego de veículos, com restrições para dias de chuva.

 

“Não estamos aqui para discutir uma coisa nem outra. Se precisam que, para liberar a via, todas as intervenções sejam executadas, ótimo! Agora, qual o prazo para conclusão? O que não podemos mais é esperar meses para ter uma definição”, completa Lopes.

 

Crédito: Arteiras Comunicação

Destaques na Imprensa

Aniversariantes de Janeiro

Réveillon 2020 com 100% de ocupação na hotelaria carioca

O Hotéis Rio divulgou, no dia 30, a última atualização da pesquisa de ocupação hoteleira para o Réveillon 2020 na capital.

A taxa média na cidade bateu 93%, contra 90% da última pesquisa realizada em 2018. Copacabana e Leme são os bairros mais procurados, com 95% de quartos reservados. Na sequência vêm Ipanema/Leblon/ Flamengo/Botafogo com 94%, além de Barra da Tijuca e Centro com 90% de ocupação.

Na noite da virada, diversas regiões apresentaram hotéis com 100% dos quartos reservados. A maior procedência é de turistas nacionais: 81% (São Paulo, Minas e Estado do Rio como maior demanda). Entre os internacionais lideram Argentina, Chile e Estados Unidos.

Para o presidente do Hotéis Rio, Alfredo Lopes, este foi um dos maiores Réveillons dos últimos anos, com clima de otimismo na hotelaria e o dobro de turistas no comparativo com 2018.

Na Barra da Tijuca, os hotéis da orla estavam praticamente lotados e contaram com 12 pontos de queima de fogos, além de diversas festas indoor nos hotéis, que foram um grande atrativo para os pacotes. A queima de fogos ocorreu nos seguintes pontos: Quebra-mar, Ilha Pura, Wyndham Barra, Courtyard Marriott, Windsor Barra, Barra World, Windsor Marapendi, Hilton Barra, Ramada Recreio, Cdesign, Grand Nercure e Shopping Village Mall.

(Crédito: Alexandre Macieira)

Senasp e ABIH Nacional criam “Selo Nacional Amigo da Segurança Pública”

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, através da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) firmou, no dia 13, em Fortaleza, protocolo de intenções com a ABIH Nacional, que institui o “Selo Nacional Amigo da Segurança Pública” na hotelaria de todo o país. O objetivo da iniciativa é estimular a valorização dos profissionais que atuam na Segurança Pública. 


O selo identificará os estabelecimentos do setor que oferecem vantagens e descontos aos servidores da segurança pública na compra de produtos e serviços e tem o objetivo de criar uma grande rede de benefícios e valorização para aqueles que trabalham no segmento. Os hotéis que aderirem à iniciativa receberão a identificação que poderá ser afixada em local visível e em seu site.

Com o acordo, a ABIH Nacional e a Senasp irão fomentar a iniciativa visando a sensibilização dos estabelecimentos hoteleiros, que poderão aderir à iniciativa espontaneamente conforme a sua disposição, comprometendo-se a conceder gratuitamente serviços eletivos como água, sinal de wi-fi, entre outros, além de oferecer a seu critério descontos para esses profissionais em produtos, serviços ou pacotes que comercializem diretamente em suas centrais de vendas.

O programa foi inspirado em iniciativas semelhantes que existem nos Estados Unidos, onde é comum empresas de serviços públicos e privados oferecerem descontos para os profissionais da área de segurança pública como forma de apoio ao segmento e, ao mesmo tempo, como uma maneira de diversificação dos negócios, já que também estão conquistando novos e fiéis clientes. No Brasil, a iniciativa foi lançada recentemente e caráter experimental no Distrito Federal, a partir de pacto entre a Fecomércio-DF, a Senasp e a Secretaria de Estado de Segurança Pública do DF.

De acordo com Secretário Nacional de Segurança Pública, General Guilherme Theophilo: “No Brasil, temos centenas de milhares de agentes entre bombeiros, policiais militares, rodoviários, civis e guardas municipais, ligados à área de segurança pública em um país com dimensões continentais. Com o ‘Selo Nacional Amigo da Segurança Pública’ todo mundo lucra já que há a valorização do profissional, aliada a segmentação do perfil do cliente. O Selo também pode vir a inibir a atuação do meliante por saber que no estabelecimento parceiro provavelmente existe a presença de policiais”.

Para Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional, o acordo, além de promover uma campanha de valorização institucional da segurança pública nacional, oferece ao empresário do ramo de hotelaria a possibilidade de desenvolver planejamento estratégico com foco nesse segmento. “Pesquisas apontam que o novo consumidor tem maior confiança e lealdade em relação a marcas que visam diretamente sua comunidade”. 

(Crédito: ABIH Nacional)

Rio Alerta participa de reunião na sede da Acibarrinha


No último dia 17, representantes do Rio Alerta – ACBS, que conta com a parceria do Hotéis Rio, participaram de reunião na Acibarrinha, com a presença do Deputado Estadual Carlo Caiado.

Durante o encontro, o Comandante do Barra Presente, Jean Dantas, apresentou aos participantes como funciona a logística do policiamento na região, que apesar de pouco tempo de atuação do projeto, já registra que os índices já começaram a diminuir. Para somar forças à iniciativa, foi comunicado que as imagens das câmeras do Rio Alerta serão disponibilizadas nos celulares dos policiais do Barra Presente que atuam na área.

O presidente da Acibarrinha, Rogério Aquim, enfatizou aos presentes a importância do espelhamento das câmeras do Rio Alerta junto ao Barra Presente como uma forma de inibir cada vez mais a criminalidade.

A ACBS é uma associação civil, sem fins lucrativos, que tem como fim social a integração de câmeras de segurança apontadas para ambientes externos, convergindo suas imagens para uma central de monitoramento própria, espelhando-as em unidades de segurança pública.