Reunião emergencial sobre coronavírus é realizada por teleconferência

No dia 19 de março, semana de início das medidas de isolamento impostas pela pandemia, o Hotéis Rio realizou um fórum virtual via teleconferência para debater o cenário da hotelaria carioca.

Na pauta em debate, negociações com o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio Hoteleiro e o Sindicato dos Garçons, Barmen e Maîtres do Estado do Rio de Janeiro.

A estimativa é de que cada quarto de hotel operando gere cerca de 1 emprego direto e até 3 indiretos. Para o presidente da ABIH-RJ, num cenário de fechamento de grande parte dos hotéis da cidade, o índice de demissões pode chegar a 20% do total de colaboradores.

Os números são alarmantes. Segundo dados do Hotéis Rio, no início de março, a ocupação da rede hoteleira estava em torno de 70%. Na primeira semana de abril, a hotelaria conta com menos de 5% dos quartos ocupados, e o número de hotéis que suspenderam temporariamente suas operações já chega a 60.

Palavra do presidente: Trabalhamos incansáveis pela defesa dos interesses da hotelaria

Prezado associado,

O Hotéis Rio, Sindicato Patronal dos Meios de Hospedagem da cidade do Rio de Janeiro, tem trabalhado de forma plena para atender a totalidade das muitas demandas da hotelaria do Rio, que tanto vem sofrendo neste período da COVID-19. Esse segmento, um dos grandes pilares do turismo, foi atingido de forma contundente.

O sindicato está e sempre se fará presente para ajudar, orientar e defender a indústria hoteleira e os hotéis associados. Juntos, descobrimos que somos muito mais fortes e, hoje, há a oportunidade de colhermos os frutos desta união, que sempre foi cultivada ao longo de anos e cada vez mais se mostra firme e consolidada.

A manutenção dos empregos dos funcionários do setor hoteleiro foi trabalhada de forma intensa, vista como prioridade pela direção da entidade e o corpo jurídico de advogados trabalhistas do Hotéis Rio.

Negociações exaustivas com cada sindicato que representa os trabalhadores da hotelaria – SIGABAM e SINDHOTELEIROS.

Após a finalização das negociações da convenção coletiva emergencial com os dois sindicatos, o governo lançou a MP 936/20. De imediato, os nossos advogados se debruçaram sobre um estudo de readequação das CCTs emergenciais.

Após a conclusão deste estudo, fomos surpreendidos pela decisão do Ministro Lewandowsky, que nos obrigou a um ajustamento de todo o trabalho pronto para este novo cenário. Todos esses passos foram acompanhados de perto por toda a diretoria e pelas principais redes hoteleiras, e com os ouvidos abertos para receber sugestões dos demais.

No dia 09 de abril, finalizamos as negociações com ambos os sindicatos, com a assinatura dos aditivos correspondentes a cada um deles, para que a hotelaria carioca possa cuidar dos seus trabalhadores da melhor forma possível e assim garantir a manutenção dos empregos. Essa foi a prioridade desde o primeiro momento, além de muitos outros assuntos que foram sendo tratados paralelamente.

O Hotéis Rio trabalha junto com cada departamento do hotel, identificando suas necessidades para atuar nas esferas comerciais, contábeis, civil, trabalhista, governamentais e políticas. Sua estrutura de atendimento foi readaptada, adequando-se ao momento atual, com sua equipe em home office com quadro reduzido, mas juntos somos gigantes, nosso trabalho e atendimento não pararam um minuto, pelo contrário, manteve-se uma equipe dedicada e focada, juntamente com seus advogados e assessoria de imprensa.

O sindicato possui advogados trabalhistas, tributaristas e civilistas para fornecer TODA assessoria jurídica necessária de forma gratuita aos seus hotéis associados.

Promove reuniões com os departamentos estratégicos dos hotéis através de web conferências para manter as ações em andamento e alinhamento de ações para estar preparado para a HORA DA RETOMADA!

Seguirá também atuando nas mídias sociais com a promoção do destino RIO, além de promover ações através das ferramentas de web conferências, webinars e outras formas de comunicação, com ações que colaborem para o desenvolvimento do setor.

Aos hotéis, hostels, pousadas e outros meios de hospedagem da cidade do Rio, saibam que vocês possuem um sindicato patronal forte, que estará sempre ao lado de vocês. Contem conosco sempre.

Hotelaria oferece acomodação para quarentena de idosos de comunidades

A partir de uma série de reuniões com a Prefeitura e reforçando seu compromisso com o Governo e a sociedade, a hotelaria carioca atendeu ao chamado do poder público para apoiar o acolhimento de pessoas idosas assintomáticas pela COVID-19 residentes em comunidades carentes.

O decreto RIO Nº 47296 foi publicado em 24 de março e faculta aos hotéis a adesão.

Desde então, o Hotéis Rio tem se reunido com a Prefeitura para intermediar esse processo, que começa com a inscrição voluntária dos hotéis interessados, e é seguido por vistoria do órgão municipal.

O termo de parceria é selado direta e individualmente entre Prefeitura e hotel, e, na sequência, a seleção e o encaminhamento dos hóspedes é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

A Prefeitura custeará até R$120 por pessoa, com três refeições inclusas no valor. A ocupação dos hotéis é imediata, de acordo com a assinatura do convênio.

Até o momento, em torno de 20 hotéis já se disponibilizaram, totalizando cerca de 2 mil quartos, em maior número nos bairros do Centro e Barra da Tijuca.

Hotel Mar Palace permanece de portas abertas aos hóspedes com atendimento especializado

Com o objetivo de atender pessoas que estão em trânsito pela cidade ou que optaram em fazer isolamento voluntário, o Mar Palace Copacabana Hotel continua com suas portas abertas, mas com um atendimento totalmente voltado para esse momento de pandemia pelo novo coronavírus.

Para tornar o seu serviço ainda mais diferenciado, algumas medidas foram implementadas, tais como: check-in realizado no quarto, com no mínimo 24h de higienização; a arrumação dos quartos somente será feita quando o hóspede não se encontrar na habitação; café da manhã embalado em porções individuais para evitar a contaminação, com menu à la carte disponível somente aos hóspedes; serviço de quarto diferenciado conforme recomendações da Vigilância Sanitária; e organização das mesas do restaurante, com no mínimo 1,5m de afastamento de uma das outras.

As medidas também valem para os colaboradores, instruídos a realizarem verificação diária da temperatura corporal antes do início das atividades e, também, a cada mudança de turno das equipes, que estão organizadas em turnos semanais, residindo no hotel para reduzir os deslocamentos até o trabalho;

Além de serviço de lavanderia disponível; recepção e vigilância 24h, a cobertura segue aberta para o banho de sol, assim como a academia, mas ambas com restrição de aglomerações. A sauna e a piscina permanecem fechadas.

Conforme medidas de proteção já estabelecidas pelos órgãos públicos, o Mar Palace conta diariamente com o reforço de procedimentos de higienização e segurança em cada quarto e nas áreas comuns, e disponibiliza álcool gel em todas as áreas comuns do empreendimento.

“Simples ações de limpeza e readequação de nosso posicionamento estratégico nos permitiram ficar de portas abertas e continuar cuidando das pessoas – hóspedes e colaboradores, nesse momento tão delicado pelo qual todos nós estamos passando”, afirma Raphael Pazos, Diretor Comercial do Mar Palace.

Consciência e criatividade fazem a diferença no serviço de hospitalidade.

Mar Palace Copacabana Hotel
Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 552, Copacabana, Rio de Janeiro/ RJ
www.hotelmarpalace.com.br
reservas@hotelmarpalace.com.br

Fóruns do Hotéis Rio são retomados em formato virtual

O Hotéis Rio retoma as reuniões com os departamentos dos hotéis, mas, desta vez, em formato virtual. Para isso, será utilizado o sistema de vídeoconferência Zoom e solicitamos a todos os participantes que baixem esta ferramenta.

A ideia é seguir o calendário de atividades do Hotéis Rio, já informado a todos por e-mail. Em um primeiro momento, serão priorizados os fóruns que contemplam as áreas dos hotéis mais afetadas com os efeitos do coronavírus, como Comercial, RH e Controladoria.

Nesta quarta-feira, dia 08, os encontros virtuais tiveram início com o Fórum Comercial, que se pautou, entre outros assuntos, na necessidade de divulgação do destino Rio nos canais online, nos esclarecimentos sobre o decreto de cessão de quartos à Prefeitura e, em especial, as renegociações com as OTAs.

O setor de Segurança está contemplado através dos grupos de Whatsapp SOS-HTS, por região da cidade, que contam com a participação dos comandantes dos batalhões de Polícia Militar e os responsáveis de cada hotel.

Os links para a participação dos fóruns virtuais do Hotéis Rio serão enviados aos respectivos grupos de Dúvidas e sugestões de pautas são bem-vindos.

Campanha nas redes sociais é criada para fortalecer o turismo

Devido aos reflexos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o Hotéis Rio lançou em suas redes sociais a campanha “Remarque sua viagem, o Rio te espera!”

O slogan “Não cancele, remarque!” reflete a importância de apoio ao turismo neste momento de crise e reforça ao viajante a mensagem de que a cidade estará preparada para recebê-lo após a pandemia.

“Diante do cenário atual, para não desestimularmos o turismo em nossa cidade, pedimos aos turistas para que remarquem suas viagens e não as cancelem. Uma maneira de não desaquecermos a economia e minimizarmos os impactos brutais sofridos pela indústria do Turismo”, diz Alfredo Lopes, presidente do Hotéis Rio.

Em paralelo, com o objetivo de prestar total assistência aos associados e garantir a multiplicação de informações atualizadas sobre procedimentos orientados pelos órgãos de saúde, representantes do Hotéis Rio têm participado incansavelmente dos grupos de crise formados pelo Governo do Estado, e adotado uma série de medidas, como orientações aos setores de RH, assessoria jurídica e pleitos junto às três esferas do poder para pedir a prorrogação de impostos municipais, estaduais e federais.

ABIH-RJ e Hotéis Rio pleiteiam isenções de impostos junto às três esferas do Poder

Para prestar total assistência a nossos associados, ABIH-RJ e Hotéis Rio monitoram todas as ações do governo Federal, Estadual e Municipal no cenário do Covid-19, buscando mapear as ações nas áreas civil, trabalhista, tributária e na esfera política.

O mercado de viagens parou. Mas as contas não deixarão de chegar. Por isso, a associação pleiteou junto ao legislativo a prorrogação de impostos. As assessorias jurídicas estão atualizando e debatendo informações e orientações em tempo real.

Tão logo o cenário de pandemia foi instalado, a ABIH-RJ e o Hotéis Rio assinaram, juntos, cartas endereçadas ao presidente da República, Jair Bolsonaro; ao governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; e ao prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, para formalizarem às autoridades pleitos do setor hoteleiro diante da gravidade neste momento de pandemia pelo novo coronavírus.

As respectivas cartas solicitam aos governantes das esferas federal, estadual e municipal o diferimento do pagamento e dos prazos de impostos – IPTU, ISSQN, ICMS, Imposto de Renda, Simples Nacional, CSLL, PIS, COFINS, além da desoneração da folha de pagamento para os empregadores com isenção do recolhimento de INSS e FGTS por um período determinado.

ABIH-RJ e Hotéis Rio participam ativamente de diversos grupos de crise formados pelo Governo do Estado, além de contarem com um comitê interno, mobilizado para dar total transparência e garantir a agilidade necessária para a proporção deste cenário.

Hotéis Rio promove ação social para ajudar hospitais de campanha

Com o objetivo de contribuir no combate à pandemia pelo novo coronavírus, o Hotéis Rio está à frente de uma campanha social junto com seus associados. O sindicato está recebendo doações de roupas de cama, cobertores, travesseiros, toalhas de banho e itens de higiene, a serem destinados aos hospitais de campanha.

Os itens arrecadados serão encaminhados ao Governo do Estado e à Prefeitura da cidade para que possam direcionar aos hospitais que serão montados no Riocentro e Estádio do Maracanã, e ao abrigo improvisado no Sambódromo.

Caso algum hotel tenha interesse em doar, basta entrar em contato através dos números de WhatsApp: (21) 99528-8781 ou (21) 97010-1459.

Setur-RJ lança edital para a criação de seis representações turísticas no exterior

Setur-RJ lança edital para a criação de seis representações turísticas no exterior

Verão no Rio de Janeiro é sinônimo de turistas. E não são só os hotéis que ficam lotados, já que a demanda por aluguéis de temporada via plataformas digitais aumenta exponencialmente.

 

A prática liga o alerta de associações de moradores, administradoras de condomínios e população em geral. A polêmica motiva um pleito jurídico de longa data da hotelaria formal, que pede não somente equiparação fiscal, mas também toda regulamentação exigida pelos órgãos competentes aos hotéis, a começar pelo cadastro formal dos hóspedes.

 

“Moradores da cidade do Rio de Janeiro têm passado por sérios riscos de segurança em razão da crescente modalidade de aluguéis por aplicativos, mascarando os contratos por temporada através das negociações de diárias em apartamentos residenciais. Os aluguéis são negociados via aplicativos, sem qualquer confronto de informações, propiciando às quadrilhas especializadas em arrombamentos de apartamentos a praticarem roubos que trazem sérios prejuízos aos moradores permanentes”, alerta Delair Dumbrosck, presidente da Câmara Comunitária da Barra.

 

A implementação desta modalidade, principalmente na Barra da Tijuca, traz ainda uma competição desleal com a rede hoteleira, que emprega direta e indiretamente milhares de pessoas, e cumpre uma série de obrigações trabalhistas e fiscais, movimentando a economia da cidade.

 

“A hotelaria formal segue uma série de normas regulatórias que garantem maior segurança, evitando situações como prostituição, tráfico e até abuso sexual contra menores, que são facilitados nas acomodações alternativas. Nada mais que justo que as exigências legais para reservas por aplicativos sigam os mesmos parâmetros exigidos aos hotéis, que por regra compartilham a ficha nacional de cadastro de hóspedes com o Ministério do Turismo”, defende Alfredo Lopes, presidente da Hotéis Rio.

 

Mais que combater problemas relacionados à segurança pública, o pleito da hotelaria busca apoiar a formulação de políticas públicas de fomento ao turismo, visto que concede à Secretaria de Estado de Turismo o direito de coletar dados de procedência e tempo de permanência para fins de estatística.

 

 

Hospedagem por aplicativo oferece risco à população

Verão no Rio de Janeiro é sinônimo de turistas. E não são só os hotéis que ficam lotados, já que a demanda por aluguéis de temporada via plataformas digitais aumenta exponencialmente.

 

A prática liga o alerta de associações de moradores, administradoras de condomínios e população em geral. A polêmica motiva um pleito jurídico de longa data da hotelaria formal, que pede não somente equiparação fiscal, mas também toda regulamentação exigida pelos órgãos competentes aos hotéis, a começar pelo cadastro formal dos hóspedes.

 

“Moradores da cidade do Rio de Janeiro têm passado por sérios riscos de segurança em razão da crescente modalidade de aluguéis por aplicativos, mascarando os contratos por temporada através das negociações de diárias em apartamentos residenciais. Os aluguéis são negociados via aplicativos, sem qualquer confronto de informações, propiciando às quadrilhas especializadas em arrombamentos de apartamentos a praticarem roubos que trazem sérios prejuízos aos moradores permanentes”, alerta Delair Dumbrosck, presidente da Câmara Comunitária da Barra.

 

A implementação desta modalidade, principalmente na Barra da Tijuca, traz ainda uma competição desleal com a rede hoteleira, que emprega direta e indiretamente milhares de pessoas, e cumpre uma série de obrigações trabalhistas e fiscais, movimentando a economia da cidade.

 

“A hotelaria formal segue uma série de normas regulatórias que garantem maior segurança, evitando situações como prostituição, tráfico e até abuso sexual contra menores, que são facilitados nas acomodações alternativas. Nada mais que justo que as exigências legais para reservas por aplicativos sigam os mesmos parâmetros exigidos aos hotéis, que por regra compartilham a ficha nacional de cadastro de hóspedes com o Ministério do Turismo”, defende Alfredo Lopes, presidente da Hotéis Rio.

 

Mais que combater problemas relacionados à segurança pública, o pleito da hotelaria busca apoiar a formulação de políticas públicas de fomento ao turismo, visto que concede à Secretaria de Estado de Turismo o direito de coletar dados de procedência e tempo de permanência para fins de estatística.