ABIH-RJ e Rio CVB apelam para Crivella manter secretaria de Turismo do RJ

O Rio de Janeiro terá menos secretarias municipais a partir de 2017. A informação foi confirmada pelo mais novo prefeito da cidade, Marcelo Crivella, que já assume o cargo no próximo dia 01 de janeiro. O temor das autoridades turísticas é a extinção da secretária Municipal de Turismo, que acabaria com todo um planejamento traçado para os próximos anos do famoso impulso pós-olímpico. O presidente da ABIH-RJ e RioCVB, Alfredo Lopes, enviou uma carta ao prefeito Crivella com um certo apelo para manter a Setur-RJ. Confira abaixo o contéudo da carta.

“Exmo. Sr. Prefeito Marcelo Crivella,

reporto-me a Vossa Excelência, em nome de toda a indústria do turismo, para um apelo que pode mudar o rumo de nossa atividade: a Prefeitura do Rio não pode prescindir da Secretaria Municipal de Turismo. Durante anos em nossa cidade, o turismo foi uma atividade secundária na composição das Secretarias Municipais, um apêndice de outras políticas públicas.

Mais tarde, e até hoje, mesmo sendo aplicada por uma Secretaria Especial, sem a estrutura essencial, obrigada a respirar pelos pulmões da RioTur, o turismo ganhou assento no núcleo de decisões do governo municipal. Dali nasceram tão importantes iniciativas e ações que nos ajudaram a colocar a cidade no papel de anfitrião do turismo mundial nos últimos anos.

Num cenário de recessão, a Prefeitura do Rio precisará de recursos para a saúde, educação, segurança, saneamento e inúmeras outras frentes. O turismo é a atividade econômica que melhor, e mais rapidamente, pode ajudar. Que indústria poderia responder de maneira tão ágil? Não precisamos subir mais prédios, construir fábricas, contratar e treinar funcionários. Não precisamos despender de enormes investimentos para levantá-la, visto que, nos últimos anos, foram injetados cerca de 10 bilhões de reais em nosso segmento, que está totalmente renovado.

Ter, no conjunto das Secretarias Municipais a Secretaria de Turismo, com capacidade para elaborar e apoiar projetos, fiscalizar e incentivar iniciativas, é uma providência essencial para fazer um governo dar certo, em especial no nosso Rio de Janeiro.

Fica nosso apelo, senhor prefeito. O Rio precisa de uma estrutura forte para explorar o turismo como atividade econômica essencial. Nossa cidade respira turismo por vocação, e de mãos dadas estão a cultura, a gastronomia, os esportes, o entretenimento. Acabar com a secretaria seria ir contra uma potência vocacional, contrariar uma inclinação natural. Um retrocesso.

Alfredo Lopes

Presidente da Associação de Hotéis do Rio de Janeiro e do Rio Convention & Visitors Bureau”

Fonte: Mercado e Eventos